Arquivo da tag: Imigrantes em SC

Treinamento gratuito de Manipuladores de Alimentos para imigrantes e refugiados (CTE/IFSC)

Estão abertas até 15 de outubro de 2017 as inscrições para o curso gratuito de manipulação de alimentos, exigido pela vigilância sanitária para atuação em cozinhas e demais ambientes com manipulação de alimentos. O curso é oferecido pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) com o apoio do Grupo de Apoio a Imigrantes e Refugiados em Florianópolis e região (GAIRF). Podem se inscrever imigrantes e/ou pessoas em situação de refúgio na Grande Florianópolis que trabalhem ou tenham interesse em trabalhar na área de alimentação.

Veja mais informações a seguir:

Inscrições: 20 de setembro a 15 de outubro de 2017
Link para inscriçõeshttp://bit.ly/2wyHzMa
Seleção: Sorteio eletrônico (16/10/2017)
Aulas: 30 de outubro até 08 de novembro de 2017
Carga horária do curso: 16h
Horário das aulas (turno noturno): 18h30 às 22h30
Local: IFSC / Campus Florianópolis-Continente (localizado no bairro Coqueiros)
Pré-requisitos: ser imigrante ou refugiado no Brasil, apresentar idade superior a 16 anos, ter número de CPF e compreender o português em nível básico.
Nível de escolaridade exigido: alfabetização.

Para mais informações sobre o curso e os procedimentos de inscrição, acessar o seguinte link: http://bit.ly/2wyHLuK

Anúncios

Resultado final do processo seletivo do CRAI-SC

No último dia 25 de julho foi divulgado o resultado final do processo seletivo para compor a equipe que será responsável pelo atendimento no Centro de Referência e Atendimento ao Imigrante e Refugiado de Santa Catarina (CRAI-SC). Confira a seguir:

EDITAL DE SELEÇÃO – Nº 01/2017 – Contratação de um(a) psicólogo(a):

Candidatos Classificados:

01. Márcio Jibrin

02. Gustavo da Silva Machado

EDITAL DE SELEÇÃO – Nº 02/2017 – Contratação de um(a) assistente social.

Candidato Classificado:

01. Leonardo Rodrigues de Oliveira

EDITAL DE SELEÇÃO – Nº 03/2017- Contratação de dois assistentes administrativos

Candidatos(as) Classificados(as):

01. Jean Samuel Rosier

02. Jamila Pitton Rissardo

03. Moussa Faye

04. Weslley da Silveira de Almeida

EDITAL DE SELEÇÃO – Nº 04/2017 – Contratação de um(a) profissional para atuar na função de Apoio Técnico.

Candidatas Classificadas:

01. Gabriela Martini dos Santos

02. Isadora Durgante Konzen

EDITAL DE SELEÇÃO – Nº 05/2017 – Contratação de um(a) advogado

Candidatas classificadas:

01. Elisa Odila Conceição Silva Donda

02. Thamirys Mendes Lunardi

Com informações da Ação Social Arquidiocesana (ASA)

Pesquisador do GAIRF apresenta tese sobre migrantes haitianos no mercado de trabalho em SC

A exploração de migrantes haitianos no mercado de trabalho em Santa Catarina foi tema da tese de doutorado do pesquisador Luís Felipe Aires Magalhães, ligado ao Núcleo de Estudos de População Elza Berquó (Nepo) da Unicamp, ao Observatório das Migrações de Santa Catarina da UDESC, e ao próprio GAIRF.

A pesquisa foi destaque de uma reportagem publicada recentemente (16/05) no Diário Catarinense, momento em que o pesquisador revela mais detalhes sobre o estudo.

Clique aqui para conferir a reportagem na íntegra e alguns trechos abaixo:

  • “Imigrantes haitianos que vieram para Santa Catarina de 2010 a 2016, recrutados principalmente pela agroindústria, construção civil e serviços de limpeza, tiveram direitos trabalhistas violados de forma recorrente”;
  • “A estimativa do Observatório das Migrações de SC é de que tenham vindo cerca de 85 mil haitianos para o país nos últimos seis anos, e pelo menos 10 mil tiveram Santa Catarina como destino final ou local de trânsito. Inicialmente, foram para cidades do litoral Norte, e depois passaram a ser requisitados por frigoríficos no Oeste. Entre 2010 e 2014, SC foi a unidade da federação que mais contratou haitianos.”
  • Segundo o pesquisador, “… as violações mais comuns são descontar dos salários um valor referente à moradia, muitas vezes precária, a alocação discriminatória – concentrar os haitianos em setores que registram mais acidentes e adoecimentos ou que são mais desgastantes -, e contratos trabalhistas com cláusulas desfavoráveis ao trabalhador que, sem entender português, assina documentos em que abre mão de direitos em caso de demissão, por exemplo”.

Com informações do Diário Catarinense.